Contra:
1) quem ‘não sabe o que fazer’ para garantir sua aposentadoria;
2) quem ‘não pode fazer nada’ para garantir sua aposentadoria, mesmo que seja pequena.

A favor:
1) quem não depende ‘muito’ ou não depende da aposentadoria oficial,
2) quem mesmo dependendo da aposentadoria oficial fez as contas, e viu que ‘do jeito que está’, vai quebrar a médio prazo.

O que fazer?

1) Primeiramente acabar com as aposentadorias absurdas de Políticos e Marajás. Sim, não faz muita diferença em termos de números, mas são estes ‘abençoados’ que criam problemas para vender soluções (claro, nunca generalizando!);

2) Mas tem dinheiro! Mas foi desviado! Mas dá para fazer melhor… sinceramente, todos nós estamos cansados do ‘dá para fazer melhor’ e de ‘mas’… nesta brincadeira nosso dinheiro vai para o ralo. Todo e qualquer ‘indicado’ político na previdência deve ser mandado embora (de qualquer partido!), devem cuidar do INSS profissionais que precisem prestar contas, produtivos e que possam ser demitidos (e presos!) a qualquer momento, por incompetência. Você quer pagar alguém para viver na mamata de seu dinheiro? Eu não!

3) Deixar como está, ou fazer de qualquer jeito: tiro no pé!
Não adianta dizer “sou contra” ou “sou a favor”. O trabalhador não pode ser prejudicado nem agora, nem depois. O trabalhador merece sua aposentadoria, seu descanso. Mas não adianta colocar ‘quem fala bonito’ para cuidar da previdência, precisa ser ‘quem trabalha bonito’!

“Meio termo” – este é o caminho. Não à reforma radical, Sim à reforma com os pés no chão.

“Navio furado não navega por muito tempo.”